Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Palestina do Espetáculo Triunfante
 Agência Carta Maior
 Animot
 CELEUMA
 Zero Fora
 O Impensado
 Jean Scharlau
 A Margarida Inventada
 Diário Gauche
 Leandro Doro
 RBS mente
 Ficha Corrida
 Nuestro Vino
 Contra Pauta
 Blog do Júlio Garcia
 Blog dos Municipários
 BIRUTA DO SUL
 Reação Cultural
 Blog do Kayser
 Carteiro do Poeta
 NOVAE
 BLOGOLEONE
 Vozes do Sul
 Agente 65
 Dialógico
 VI O MUNDO - BLOG DO AZENHA
 CACTO
 Blog do Alon
 BLOG DO BRASIL DE FATO
 AGÊNCIA CHASQUE
 O olho dínamo
 PONTO DE VISTA
 Acarapuça
 Cultura Livre
 Pensamento Diverso
 Implicante por Natureza
 Na periferia do império
 Desabafo País
 ECOAGÊNCIA
 ALMA DA GERAL
 Esquina Democrática
 Alívio Refrescante
 Aldeia Gaulesa
 ENTRELINHAS
 Paidéia Gaúcha
 Palanque do Blackao
 ALTERNAMIDIA
 LA VIEJA BRUJA
 RÁDIO REPÚBLICA
 O Biscoito fino e a massa
 BLOG DO NASSIF


 
 
RS URGENTE


FRAUDE DOS SELOS: MACALÃO CITA NOVOS NOMES

 O ex-diretor de Serviços Administrativos da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, Ubirajara Macalão, prestou novo depoimento à Polícia Federal na tarde desta sexta-feira. O novo depoimento, que durou cerca de duas horas, foi motivado por novos fatos levantados pela PF durante as investigações do caso. Macalão citou o nome de três deputados gaúchos que também teriam se beneficiado do esquema do desvio de selos. Segundo publicou o blog de Diego Casagrande (às 16:56), Macalão acusou Edemar Vargas (PTB), Kalil Sehbe (PDT) e Paulo Brum (PSDB) de participarem do esquema.

 

Paulo Brum é o atual primeiro vice-presidente da Assembléia Legislativa.



Escrito por Marco Weissheimer às 17h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



MUDANÇA DE YEDA CUSTARÁ MAIS DE R$ 14,5 MILHÕES

 A governadora Yeda Crusius (PSDB) não quer mais trabalhar no Palácio Piratini e decidiu mudar-se para o Centro Administrativo do Estado. Para tanto, determinou a realização de uma reforma dos 21 andares do prédio que custará mais de R$ 14,5 milhões. Yeda quer deixar de despachar no Piratini até o final de novembro e pretende deixar o mesmo apenas para cerimônias oficiais. Um grupo de técnicos está encarregado da obra que envolverá mudança de estrutura, reforma de gabinetes e readequação de departamentos.

 

Ao tentar justificar o gasto de mais de R$ 14,5 milhões, o diretor do Centro Administrativo, Paulo Ott, disse que o Estado economizará em aluguéis de algumas unidades administrativas que se mudarão também para o Centro Administrativo. Ott não especificou que unidades são essas e quanto o governo gasta atualmente de aluguel com elas. O motivo central da reforma, no entanto, é mesmo o desejo da governadora de deixar o Palácio Piratini. Até agora, o secretário da Fazenda, Aod Cunha, não se manifestou sobre a prioridade dessa obra no momento em que o Estado atravessa uma grave crise financeira.

 

E, por falar em obras, até julho deste ano, o governo Yeda Crusius “investiu”, em habitação, a singela soma de R$ 1.155,00.

 

Foto: Jefferson Bernardes/Palácio Piratini



Escrito por Marco Weissheimer às 15h32
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



PORTO ALEGRE: 2ª CAPITAL MAIS POLUÍDA DO BRASIL

 Porto Alegre é a segunda capital mais poluída do país. A conclusão é de uma pesquisa encomendada pelo Ministério do Meio Ambiente, cujos principais resultados foram publicados nesta sexta-feira, no jornal Folha de São Paulo. Em termos de poluição atmosférica, segundo a pesquisa, a capital gaúcha só fica atrás de São Paulo.

 

O Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental, da Universidade de São Paulo (USP), constatou que, entre maio e julho deste ano, a concentração de partículas finas na atmosfera de Porto Alegre ficou em 22,25 microgramas por metro cúbico. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que esse índice não ultrapasse os 10 microgramas. Em São Paulo, está em 30,90.

 

Segundo André Ferreira, da Fundação Hewlett, que patrocinou a pesquisa, Porto Alegre tem um monitoramento muito precário da poluição atmosférica. O último dado disponível para o público, assinalou Ferreira, é de 2002.



Escrito por Marco Weissheimer às 14h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



A GUARDIÃ DA BANDEIRA DE PORTO ALEGRE

 A secretária estadual da Cultura, Mônica Leal (PP), foi um dos destaques da abertura do desfile farroupilha, nesta quinta-feira, em Porto Alegre. Montada a cavalo e com um lenço maragato no pescoço, a secretária abriu o desfile como a "guardiã da bandeira de Porto Alegre". Ela defendeu a importância de preservar a tradição e a história do Estado.

 

Do ponto de vista histórico, cabe registrar que, na verdade, Porto Alegre não foi reduto farroupilha nem maragato. Com exceção dos primeiros dias, a capital gaúcha manteve-se, durante os dez anos da revolta farroupilha, fiel ao Império. Em 1841, após resistir a vários cercos dos farrapos, recebeu do imperador Dom Pedro II o título de “Cidade Leal e Valerosa”, presente ainda hoje no brasão oficial e na bandeira da cidade. E, na disputa entre chimangos e maragatos, Porto Alegre foi sede política dos primeiros, positivistas, partidários de Júlio de Castilhos e Borges de Medeiros.

 

Mas hoje, destacou a secretária em artigo publicado no jornal Zero Hora, estamos todos unidos pela tradição e não há mais distinções. “Vemos o gaúcho pilchado, os CTGs repletos, o chimarrão como um hábito sagrado, o churrasco assado no mais distante rincão e nosso hino cantado com propriedade e emoção”, filosofou a guardiã da bandeira de Porto Alegre.

 

Foto: Jefferson Bernardes/Palácio Piratini



Escrito por Marco Weissheimer às 17h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



A GOVERNADORA E OS JOGOS INFANTIS

 Em entrevista à rádio Gaúcha, na manhã desta quinta-feira, a governadora Yeda Crusius (PSDB) respondeu às acusações vindas do Poder Judiciário de que ela teria quebrado a palavra no debate sobre o Orçamento. Aparentando indignação, disparou:

 

"O que eu não posso admitir – porque isso é jogo de crianças – que se diga que eu quebrei a palavra. Não é do meu feitio, não é da minha história."

 

A afirmação é injusta com as crianças e com a biografia recente da governadora. No segundo turno da campanha eleitoral de 2006, a então candidata Yeda Crusius assinou uma carta enviada aos funcionários da Emater, garantindo que eles não precisavam temer listas de demissões e que ela, caso eleita, iria “reforçar o quadro de servidores, hoje defasado”.

 

Como se sabe, eleita, a governadora mandou demitir cerca de 300 funcionários da empresa.

 

Ainda na campanha eleitoral, prometeu várias vezes que não iria propor aumento de impostos, pois esta era uma receita do “velho jeito de governar”. Eleita, mesmo antes de assumir, uma de suas primeiras iniciativas foi propor um aumento de impostos.

 

Jogo de crianças?



Escrito por Marco Weissheimer às 10h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



OS SALAMALEQUES DE ESQUERDA À RBS

 Os blogs Ponto de Vista e Diário Gauche registraram hoje seu protesto (e o RS Urgente apóia) contra os constrangedores elogios de parlamentares do RS, de vários partidos de esquerda, aos 50 anos do grupo RBS.

 

Cristóvão Feil escreveu: “É desanimador! A gente sente vergonha por eles! Essa turma – supostamente de esquerda – perdeu completamente o senso crítico. Pior: estão com amnésia delirante.  Não lembram o papel representado pela RBS aqui no Rio Grande do Sul, que, na falta de partidos autenticamente de direita, cumpre a função de intelectual orgânico e dirigente (e formulador) do pensamento conservador e tradicional”.

 

E Wladimir Ungaretti emendou: “É bom saber o que toda esta “catrefa de esquerda” pensa. Os outros são velhos apoiadores. Militantes da velha e conhecida direita troglodita”.

 

Clique AQUI para ler o Diário Gauche. E AQUI para ler o Ponto de Vista.



Escrito por Marco Weissheimer às 20h25
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



POBREZA CAI MAIS COM LULA DO QUE COM FHC

 A pesquisa da FGV também estabelece comparações entre os governos Lula e FHC. A taxa de miséria caiu 8,47% ao ano no primeiro governo Lula (de 2002 a 2006) contra uma média de 3,14% nos dois governos FHC (de 1993 a 2002). No primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso, a redução da miséria foi de 5,1%/ano, enquanto que, no segundo, caiu para apenas 0,43%. As grandes metrópoles urbanas, conforme o levantamento da fundação, são os lugares que apresentaram o maior crescimento relativo da miséria no período entre 1995 e 2003, chegando a 41%. Desde 2003, porém esse quadro começou a reverter, chegando ao nível mais baixo da série em 2006. A pesquisa da Fundação Getúlio Vargas traduz um conjunto de dados positivos, do ponto de vista da redução da pobreza e da desigualdade social no país, indicados pelo Pnad 2006, na semana passada. Clique AQUI para ler mais.



Escrito por Marco Weissheimer às 17h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



QUASE 6 MILHÕES SAÍRAM DA MISÉRIA EM 2006

 Cerca de 6 milhões de pessoas deixaram a linha da miséria no Brasil no ano passado, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que teve como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo IBGE na semana passada. Segundo o levantamento da FGV, a queda de 15,2% da miséria em 2006, em relação ao ano anterior, é o melhor resultado apurado desde o início da série da Pnad, em 1992. Intitulado “Miséria, Desigualdade e Políticas de Renda: o Real do Lula”, o estudo afirma que, em 2006, havia no país 36.153.687 pessoas classificadas como miseráveis, o que equivale a 5,87 milhões a menos que em 2005, quando foram registradas 42.033.587 com renda per capita abaixo de R$ 125 mensais. Nos últimos três anos (2004, 2005 e 2006), a redução acumulada da pobreza foi de cerca de 36%.

 

Segundo a avaliação do coordenador do Centro de Políticas Sociais do Instituto Brasileiro de Economia – órgão da FGV -, Marcelo Néri, a análise dos dados do Pnad indica que a redução de cerca de 15% da pobreza, em 2006, é o maior resultado dos últimos dez anos e mostram um crescimento da renda domiciliar per capita de 9,16%, “um resultado mais próximo a um crescimento chinês”. “Os números de 2006 não só dão seqüência às conquistas observadas desde a piora da pobreza com a recessão de 2003, como também constitui o melhor ano isolado da série histórica da nova Pnad”, afirmou Néri. O pesquisador destacou o papel do programa Bolsa Família na redução da pobreza, dizendo que ele tem efeitos superiores ao do aumento do salário mínimo. Segundo Néri, cada real do Bolsa Família tem duas vezes mais chances de chegar no pobre do que o reajuste do salário mínimo.



Escrito por Marco Weissheimer às 15h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



ECONOMIA DA CULTURA EM DEBATE

 O deputado estadual Ronaldo Zulke (PT-RS) informa que, por iniciativa de seu mandato, a Comissão de Economia da Assembléia Legislativa do RS promove, dia 26  de setembro, às 9h30min, uma audiência pública sobre Economia da Cultura. A reunião, que ocorrerá no plenarinho da Assembléia, terá a presença dos seguintes painelistas: Ana Carla Fonseca Reis (Economista e Autora do Livro “Economia da Cultura e Desenvolvimento Sustentável”), Paula Porta (Coordenadora do Programa de Desenvolvimento da Economia da Cultura do Ministério da Cultura) e Valéria Barros (Coordenadora da Carteira Nacional de Cultura do SEBRAE Nacional). Segundo o IBGE,  o setor cultural respondia em 2003 por 5,7% dos empregos formais, 6,2% do número de empresas, 6% do valor adicionado geral e 4,4% das despesas médias das famílias. Estima-se que a participação no PIB brasileiro seja de 5%. 



Escrito por Marco Weissheimer às 13h36
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



XX ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

 O Centro de Professores do Estado do Rio Grande do Sul (Cpers Sindicato) promove, de 11 a 14 de outubro, o XX Encontro Estadual de Educação, no auditório Dante Barone, na Assembléia Legislativa do RS. Com o lema “Educar para Transcender”, o encontro está organizado em torno de três eixos: Projeto de Sociedade, Sistema e Gestão Democrática da Educação, Valorização Profissional, Formação e Condições de Trabalho. Entre as atividades, estão programados os seguintes debates:

 

Dia 11, 19h30min – Flavio Koutzii (Laços entre o local, o nacional e o global)

Dia 12, 13h30min – José Clóvis de Azevedo (Projeto de educação alternativo)

Dia 12, 15h30min – João Pedro Stédile (Escolhas para um desenvolvimentos sustentável)

Dia 13, 13h30min – Marco Aurélio Weissheimer (Mídia, pluralidade e democracia)

Dia 13, 19h40min – Marcos Rolim (Violência nas escolas)

Escrito por Marco Weissheimer às 10h33
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



OS INVESTIMENTOS DO GOVERNO YEDA

 Manchete do site do governo do Estado do Rio Grande do Sul, nesta quarta-feira, afirma: “Governo do Estado garante investimentos de R$ 420 milhões no Porto de Rio Grande”. Na verdade, quem garante os investimentos é o governo federal, que destinará os recursos para o Estado através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Na versão do Palácio Piratini, a ampliação e modernização do porto de Rio Grande “constituem-se em uma das estratégias estruturantes propostas pela governadora Yeda Crusius para a retomada do desenvolvimento econômico do Rio Grande do Sul”.

 

Outro investimento “garantido” pelo governo estadual é o de R$ 50,685 milhões para a segurança pública. Deste total, R$ 46,312 milhões virão do Ministério da Justiça e serão destinados, entre outras coisas, à construção de dois novos presídios no Estado.



Escrito por Marco Weissheimer às 09h21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



BARBOSÃO, O ORÇAMENTO E O 1° MARIDO

 Maneco escreve: Em tempo de discussão de orçamento, uma historinha reveladora circulou, hoje, no cafezinho do Salão Júlio de Castilhos, da Assembléia Legislativa. Transcorria o mês de novembro de 2006 e Yeda, recém eleita, preparava-se para assumir o governo do Estado. Na transição, ruídos com a verba que seria destinada, no Orçamento, ao Poder Judiciário e ao Ministério Público (qualquer semelhança com o debate atual não é mera coincidência). No centro do bate-boca, a nova governadora e o presidente do Tribunal de Justiça, Marco Antônio Barbosa Leal, conhecido entre os amigos como “Barbosão”. Declarações de ambos na imprensa já estavam causando constrangimento ao novo governo que ainda nem havia assumido. Foi então que alguém teve a idéia de promover um encontro “de paz” entre a governadora, Barbosão e o Procurador Geral de Justiça, Roberto Bandeira Pereira.

 

A reunião aconteceu numa bela manhã de domingo. O local escolhido não poderia ser melhor: a mansão do senador Sérgio Zambiasi (PTB) no Morro Santa Teresa, com direito a vista para o Guaíba, lugar ideal para apaziguar ânimos. A governadora foi a primeira a chegar, acompanhada do marido Carlos Crusius. Barbosão chegou depois e, ao deparar-se com o primeiro marido na sala onde se realizaria a reunião, não teve dúvidas e lascou: "Ah, mas se eu soubesse que esta era uma reunião social, teria trazido a minha esposa". Desde então, embora aparentem um convívio harmônico (afinal, ambos são chefes de poderes), a verdade é que Barbosão e Yeda não se toleram.

 

Um novo episódio que coloca o presidente do TJ e a governadora em lados opostos está nos jornais de hoje. Em declarações à Zero Hora, o representante do Judiciário sugere que a governadora traiu um acordo feito com os juízes sobre o valor que o Estado repassará ao Judiciário no ano que vem. Segundo a versão do Judiciário, o pedido inicial era de R$ 1,421 bilhão, mas diante da choradeira de Yeda, ficou acertado que seriam destinados R$ 1,360 bilhão. No projeto oficial de Orçamento apresentado pelo governo, contudo, a verba do Judiciário para 2008 ficou em R$ 1,343 bilhão, ou seja, R$ 17 milhões a menos. Barbosão, que não manda dizer, disparou: "Estou muito velho para mentir. Não vou admitir, de quem quer que seja, a pecha de mentiroso depois do 60 anos". O presidente do conselho de administração do Tribunal de Justiça, José Aquino de Camargo e o desembargador Guinther Spode, que teriam participado das negociações entre o governo e o Judiciário, dizem ter provas de que a governadora não honrou o combinado.

Escrito por Marco Weissheimer às 17h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



EX-ASSESSOR DE ONYX ENVOLVIDO NA FRAUDE DOS SELOS

 O publicitário Sérgio Jaeger Junior, que trabalhava para o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), será indiciado esta semana pela Polícia Federal por peculato, informa a Central Band de Jornalismo. Segundo o delegado Andrei Passos Rodrigues, o ex-assessor de Onyx adquiriu selos da Assembléia Legislativa, desviados por Ubirajara Macalão e os utilizou na campanha de Adriano Bonaspetti a uma vaga no parlamento italiano. Durante a eleição, Sérgio utilizou os selos “cedidos” pelo ex-diretor administrativo da Assembléia gaúcha, sabendo que o material havia sido comprado irregularmente. Segundo o superintendente da Polícia Federal no RS, Ildo Gasparetto, a quebra do sigilo telefônico dos envolvidos comprovou o crime e o envolvimento de Jaeger.

 

Sérgio Jaeger Junior saiu do gabinete do deputado há cerca de trinta dias, quando foi intimado a depor na Polícia Federal. Ele cuidava da agenda e fazia assessoria de imprensa para Lorenzoni. Funcionários do gabinete do deputado disseram à Bandeirantes que ele ainda participa de atividades do partido no Rio Grande do Sul. Onyx Lorenzoni não quis gravar entrevista. Disse apenas que não se beneficiou da fraude dos selos que nos últimos anos desviou mais de três milhões de reais da Assembléia Legislativa.

 

A ministra Maria Teresa de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou o pedido de revogação da prisão temporária de Macalão. O ex-diretor de Serviços Administrativos da Assembléia está no Presídio Central, acusado de recebimento de propina de uma empresa que realizava serviços de limpeza no prédio do parlamento. A defesa de Macalão aguarda, agora, o resultado do julgamento de outros dois pedidos de habeas corpus.



Escrito por Marco Weissheimer às 13h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



A CONSPIRAÇÃO TRIUNFALISTA

 Bernardo Kucinski escreve na Carta Maior: Já que está na moda a tese da conspiração da mídia contra o governo, assim como a alegação de que a tese é falsa, vou lançar hoje a novíssima tese de que houve uma conspiração da mídia a favor do governo. Sim, a mídia oligárquica conspirando a favor de Lula. Praticamente todos os jornais e telejornais exaltaram o crescimento acelerado do PIB no segundo trimestre deste ano: nada menos do que 5,4% em comparação com o mesmo trimestre do ano passado. “O melhor resultado em não sei quantos anos", proclamavam as manchetes. “A maior a taxa de investimento desde não sei quando”. “Indústria se destaca com expansão de 6,8%”, “Consumo avança 5,9%”. E assim por diante. Houve pequenas restrições aqui e ali dos comentaristas de sempre, inconformados com o que parece ser a consagração da política econômica do governo. Mas nem eles deixaram transparecer que se tratava de uma fraude estatística. Clique AQUI para ler mais.



Escrito por Marco Weissheimer às 21h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



LOCAL DA BATALHA DE SEIVAL PODE VIRAR PLANTAÇÃO DE EUCALIPTO

 Matéria publicada no Minuano Online, de Bagé, indica que a voracidade da indústria de celulose parece não reconhecer qualquer limite. A matéria fala do possível plantio de eucaliptos na área histórica da batalha do Seival, na BR 293: “ Em plena Semana Farroupilha soa como uma afronta à utilização da área para plantio, já que, mesmo que as pesquisas ainda não tenham sido finalizadas, existem fortes indícios de que o marco do Seival indica o local onde ocorreu o combate que originou a proclamação da República Rio-Grandense”.

 

Em 09 de setembro de 1836, ocorreu a primeira grande batalha da revolta farroupilha. Sob o comando de Antônio de Souza Netto, as forças farroupilhas venceram as tropas imperiais na Batalha do Seival. Após a vitória, foi proclamada a República Riograndense, separando o estado do Brasil Imperial. Historiadores querem o tombamento da área como patrimônio histórico, o que ainda não aconteceu.

 caráter revolucionário do movimento farroupilha.

O engenheiro florestal responsável pelo projeto técnico dos eucaliptos, Rodolfo César Perske, confirmou que as plantações estão prestes a acontecer. Segundo ele, há cerca de três meses a Prefeitura de Candiota já liberou a licença para o plantio e a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) já concedeu a licença prévia. A matéria informa que assim que a Fepam liberar o projeto definitivamente, a plantação deve começar. O engenheiro defende que, se há um patrimônio histórico a ser preservado, os proprietários do terreno devem ser indenizados por isso. “Se a prefeitura tem interesse em preservar a área, o produtor deve ser indenizado, já que se trata de uma propriedade particular. Não há nada na lei que impeça o plantio”, disse Perske ao jornal.

 

Mas há resistência contra o projeto. O presidente do Núcleo de Pesquisa Histórica Seival, em Candiota, Heitor Ferreira, disse ao jornal que está prevista uma manifestação de historiadores no local, buscando sensibilizar os proprietários a desistirem da plantação. “Além da movimentação do Núcleo de Pesquisa, os núcleos de Bagé e Camaquã também tentam barrar o plantio. A principal motivação dos manifestantes contra a plantação é de que é necessário preservar as tradições gaúchas. Enquanto a área sofre a ameaça, o Núcleo de Pesquisa Histórica Seival está buscando uma parceria com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) para uma pesquisa arqueológica de campo, que pode contribuir para o tombamento da área” informa o Minuano.

Escrito por Marco Weissheimer às 12h46
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]